ATERRAXE EN JUAN DE NOVA ISLAND

ATERRAXE EN JUAN DE NOVA ISLAND

As Cinco Illas Dispersas áchanse no Océano Índico ao abeiro do Canal de Mozambique. Hogano pertencen a Francia. Entre elas está Juan de Nova Island, que fora descuberta polo navegante João da Nova, o galego máis sobranceiro do século XVI, e que aínda non está recoñecido como debería na memoria colectiva do Noso País. Tiramos da Wikipédia, a enciclopédia livre, en portugués: “As Ilhas Esparsas, ou Ilhas Dispersas do Oceano Índico [em francês: Îles éparses de l’océan indien] são um conjunto, criado para fins administrativos, de cinco ilhas desabitadas do Oceano Índico que estão sob soberania francesa [os números mostram a localização na carta ao lado]: No Canal de Moçambique: Bassas da Índia, Europa, Gloriosas e João da Nova. No grupo das ilhas Mascarenhas: Tromelin. As ilhas, sem população residente, são domínio privado do estado francês, sendo administradas colectivamente pelo administrador superior das Terras Austrais e Antárticas Francesas que, sob a tutela do Ministro do Ultramar de França, exerce sobre elas as funções administrativas e de controlo jurisdicional, nomeadamente no que respeita à pesca na zona económica exclusiva e à protecção da natureza. O administrador destes territórios está sediado em Saint-Pierre, na ilha da Reunião. As ilhas estão classificadas como reservas naturais, com particular interesse para a conservação das populações de tartarugas e aves marinhas. Nelas funcionam também estações meteorológicas, com particular destaque para a ilha Tromelin, onde se situa uma estação de vigilância dos ciclones tropicais na sua rota de aproximação a Madagáscar. A ilha de João da Nova (ou Juan de Nova em espanhol e francês) é uma pequena e desabitada ilha no Canal de Moçambique, dependente das Terras Austrais e Antárcticas Francesas. O seu vizinho mais próximo é Madagáscar, a leste, seguindo-se-lhe Moçambique, a oeste. Foi descoberta pelo navegador galego-português João da Nova. As ilhas são administradas como parte das Ilhas Esparsas do Oceano Índico pelo administrador superior das Terras Austrais e Antárticas Francesas [TAAF]”.

Eis a singular aterraxe dun avión militar francés na illa que leva o nome do mariño macedán [cunha panorámica de conxunto deste cativo croissant terráqueo], nunha precaria pista de terra que, comparada copa megapista ultramoderna e ultramilitarizada da Illa Ascensión que pode acoller grandes naves [mesmo fóra do convencional e á que lle meteremos o dente en chegando], semella estar anos luz de distancia tecnolóxica e xeoestratéxica a escala mundial. Porén, para as autoridades francesas Juan de Nova Island semella capital na área do Canal de Mozambique para os seus intereses alén mar. Mergullémonos xa que logo na vista aérea de Juan de Nova Island dende esta bitácora, que modestamente teima optimizar este galego universal dende a súa terra de orixe. Beizón!:

Comentarios pechados.